Europa News NOTÍCIAS

Direitos de Remuneração para Criadores na Internet: 438 a favor, 226 em contra e 39 abstenções, os Criadores sacam ampla vantagem

O polêmico texto, aprovado com 438 votos a favor e 226 em contra, dá mais um passo para se tornar uma diretiva

Axel Voss MEP celebrates the victory of the reform in Strasbourg on Wednesday. VINCENT KESSLER REUTERS
Axel Voss MEP comemora a vitória da reforma em Estrasburgo na quarta-feira. VINCENT KESSLER REUTERS

Uma revolução para o direito de autor, em tão só dois meses. O Parlamento Europeu aprovou ontem por ampla maioria a proposta de reforma do copyright em Internet: 438 deputados a favor, 226 em contra e 39 abstenções.. O texto, que foi rejeitado pelos deputados do Parlamento Europeu em Julho passado com uma margem de 40 votos, sofreu uma revolução dois meses depois: 438 a favor, 226 contra e 39 abstenções. Triunfou assim a frente liderada por Axel Voss, eurodiputado popular e palestrante da iniciativa, que defende a urgência de modificar a diretiva em vigor, de 2001, e proteger aos criadores com mais garantias e remunerações justas em frente aos colosos de Internet que se beneficiam da difusão de suas obras. E saiu derrotado o bando da eurodiputada Julia Reda, do Partido Pirata, que acha que a reforma não ajuda aos artistas e põe em risco a liberdade da Internet. Todo um viro radical com respeito ao passado julho: então, a mesma Eurocámara recusou o regulamento por 40 votos, entre gritos e aplausos de celebração. Ontem, a alegria tocou-lhe a Voss, quem celebrou o resultado com caretas e os polegares para acima.

Mas, ¿que tem mudado em tão pouco tempo? Tudo, ao que parece. Ou quiçá não muito. Porque a votação, tensa e longa devido a uma infinidad de emendas, respaldou ontem os dois artigos —11 e 13—que fizeram cair o texto este verão e concentraram todas as polémicas, em uma das batalhas mais agrias que o Europarlamento recorde. Em julho, a campanha pelo não abrumó ao bando do sim com sua mobilização em massa: ante a segunda votação, os defensores da reforma responderam com uma pressão igual de eficaz.

O artigo 11 cria um direito conexo para os editores de imprensa, para autorizar ou proibir aos agregadores de notícias on-line (como Google News) que reproduzam as publicações de seus meios e decidir se querem cobrar por isso. A proposta não afeta aos enlaces, nem sequer se vão acompanhados de poucas palavras, mas sim aos fragmentos de notícias (os snippets) e seu uso por parte de plataformas comerciais.

O artigo 13, a principal fonte de disputas, recolhe que os portais que alojam, otimizam e difundem contidos de usuários com fins comerciais (como YouTube) se responsabilizem pelo que os internautas subam. Até a data, só estão obrigadas a um controle a posteriori, quando lhes assinala uma violação do copyright. A reforma pretende que obtenham uma licença dos donos dos conteúdos e implementem medidas apropriadas e proporcionadas” para evitar alojar obras protegidas sem autorização.

Para os críticos, depois dessa definição só podem ser escondido filtros prévios para controlar milhões de conteúdos, algo que tachan de tecnologicamente e economicamente inviable, além de rozar a censura. Seus defensores sublinham em mudança que o artigo inclui    exceções, para companhias pequenas ou blogs, que memes e paródias não se verão afetados, e que se garantem mecanismos de queixa e resgate para os conteúdos que sejam eliminados injustamente

A luta durou até o último momento. Os ministros da Cultura de quase uma dúzia de países europeus, incluindo a Espanha, assinaram na véspera da votação uma declaração conjunta para apoiar a reforma. Seus defensores argumentam que isso dá mais poder aos criadores que usam a Internet para divulgar suas obras, e vêem isso como uma forma de proteger o patrimônio cultural europeu. Os dois maiores partidos espanhóis, o PP e o PSOE, apoiaram a medida, PODEMOS e IU se opuseram e, em Ciudadanos, não houve unanimidade.

Os socialistas espanhóis na Euro-câmara acreditam que a Internet não pode ser um território sem lei: eles defendem que os editores de imprensa têm direito a uma remuneração justa pela divulgação de suas publicações. E são favoráveis a que plataformas como YouTube, Pinterest, SoundCloud, Vimeo, Flickr ou Tumblr paguem aos criadores pelo conteúdo protegido por direitos de autor que sobem os internautas. Mas não todos o vêem assim. “É uma vergonha. O Parlamento Europeu tem introduzido a censura de conteúdos na Internet. Entramos em um palco do Grande Irmão de Orwell”, declarou o vice-presidente italiano Luigi dei Maio, do Movimento 5 Estrelas

Se a diretiva sai adiante, gigantes de Internet como Facebook e Google podem ser visto obrigados a compartilhar parte de seus rendimentos com a indústria criativa, ainda que ainda não se quantificou o impacto em suas contas. Edima, a organização que aglutina às plataformas digitais na UE, criticou ontem a decisão. Acha que restringirá as notícias que os usuários podem compartilhar, e tem alertado de que lhes impedirá subir certos conteúdos.

Outros detractores opinam que a mudança legislativa abre a porta à censura preventiva. “Agora pode ser tratado de uma peça musical ilegal, mas no futuro podem ser opiniões. Precisamos que se pague aos criativos, o que não pode ser é que os algoritmos decidam o que aparece em Internet e o que não”, advertiu o europarlamentario social-democrata alemão Tiemo Wölken

Depois da aprovação, os eurodiputados votaram em prol de dar via livre ao relatório para a chamada fase de triálogo: Europarlamento, Comissão e Conselho Europeu procurarão consensuar contrarreloj uma versão definitiva que terá que passar de novo pelo voto de Estrasburgo para se converter em diretora. As eleições européias, em maio de 2019, metem pressa às instituições


Fuente: https://elpais.com